Passou.

Passou o meu surto de egoísmo. Coloquei os óculos de grau, me olhei de perto e não me reconheci. Eu não era assim antes. Eu não tinha essas olheiras escuras, nem essas pálpebras pesadas - que parecem que vão desabar a qualquer momento. Eu tenho marcas de expressão (fora a marca do sorriso, que sempre existiu), minha testa está sempre contraída, como se eu estivesse sempre com uma preocupação, e meu pescoço dói, meus ombros doem, meu coração dói enquanto seus remendos caem feito obturações mal feitas.

Hoje eu me arrependo dos dias em que eu fechava os olhos e pedia, egoisticamente, para o tempo passar, para hoje chegar. Pois bem, estou aqui, e agora eu sei que nunca vou ser realmente independente. Eu não quero ser independente. Todo mundo depende de alguma coisa, todo mundo depende de alguém.

Eu sempre aleguei que podia tomar minhas próprias decisões, que tinha idade e discernimento para separar o certo do errado. Mas discernir é só o primeiro passo, o passo mais importante vem depois: a escolha. Ontem eu escolheria o errado - e nem queria me sentir culpada por isso! E o que é realmente engraçado, é que eu não lembro de ter arrependimentos antes, quando havia sempre alguém para supervisionar minhas atitudes. Hoje? Sou cheia deles.

Por trás dessa capa de maturidade, eu sou apenas uma rebelde-sem-causa-justa. E vejam só, nem isso eu soube ser, já que voltei atrás em todos os meus planos de rebeldia pra me sentir mais livre. Eu queria me livrar do peso, mas o próprio conhecimento tem seu peso, e não dá pra ignorá-lo e sair ileso.
Todos os meus discursos caíram, acho que eu finalmente encontrei alguém que me desbanque: eu mesma.

6 comentários:

Erica Ferro disse...

O tempo passa, mas a gente não passa. Morre, claro, mas isso é outra história. A questão é que adiar algo pensando que num futuro será melhor, mais fácil, é besteira, é perda de tempo. Sei bem como é. Ô, se sei!

Beijo.

Lucas; disse...

Hakuna Matata!

[O Rei Leão]

Paloma Flores disse...

Ah, a gente passa por essas crises enquanto amadurece. Acho que é a parte mais criança da gente não querendo mais ser gente grande. É mais complicado ser adulto, não é?

meus instantes e momentos disse...

Depois de ler teu 3° blog, fiquei teu fã.
(tres vezes fã)...rs
Tenha uma ótima tarde.
Maurizio

Priscila disse...

"minha testa está sempre contraída, como se eu estivesse sempre com uma preocupação..." me reconheci aqui.

E tuitei isso por esse dias: Crescer dói. Mas ainda assim é bom.

Rodriguez disse...

Encantado.

Nesse espaço onde palavras perdidas ou não, verdades ou apenas suas verdades que eu me reconheci. É assim que a gente vai (re)significando a vida, com a vivência dos outros também.