Tempo de carne e osso

Se há dez anos me perguntassem onde eu estaria em dez anos, eu com certeza não diria aqui. Quando a gente é criança, a gente tem a idéia boba de que 10 anos é muita coisa. Mas o tempo passa, e parece que os anos vão perdendo o valor. Um ano não significa mais grande coisa. Um ano pode passar, e você pode continuar exatamente no mesmo lugar.

Não digo que nesse um ano eu não mudei nada, porque estaria mentindo. Eu mudei, mas mudei pouco, e as mudanças não foram necessariamente boas. Eu me tornei mais racional, mais retraída (acreditem se quiser), e até mais cética em alguns aspectos. Fiquei feito bicho selvagem acuado – nem ataco, nem fujo. Além do mais, foram mudanças – só – de dentro, e parece que ninguém consegue me enxergar por dentro. Eu sou opaca. Não passa luz por mim.

Talvez se eu tivesse radicalizado, pintado o cabelo de azul, raspado as sobrancelhas e passado a usar saia xadrez com blusa estampada, as pessoas percebessem que eu não sou mais a mesma. E talvez parassem de me julgar pelos meus crimes do passado, e talvez parassem de usar meus próprios demônios contra mim, como se isso fosse ajudar.

A impressão que eu tenho, é que eu vivo em uma roleta viciada. Eu giro, giro, giro, e acabo sempre no mesmo lugar. Fico feliz, é verdade, que não seja uma roleta russa. Mas se fosse, pelo menos haveria algo de valor – ou não tanto valor assim – a arriscar.

Eu não sei porque as pessoas bebem, se drogam, ou se matam. Mas deve ter a ver com o que eu estou sentindo agora. Os pulmões comprimidos, como se faltasse ar, mas sem faltar. O ar ta aqui, eu tô respirando. Mas é como comer sem sentir o gosto da comida, ou cheirar sem sentir o cheiro das coisas. É como existir sem viver. [Mas claro que isso é só um surto depressivo. Logo logo vai passar. Sempre passa].

12 comentários:

Madame Morte disse...

"Um ano pode passar, e você pode continuar exatamente no mesmo lugar."

Absoluta e Definitivamente.

Crimes do passado não vão embora porque as pessoas, por mais que digam que perdoam, não conseguem perdoar;todos precisam de provas, provas de amor, provas de melhoras, de mudanças, e geralmente, você precisa se machucar um pouco pra alguém então satisfeito poder dizer que você mudou.Não vale à pena mostrar seu coração ou seus pensamentos, de uma forma ou de outra, vão te fuder.

Sempre passa, verdade.E pra alguns, ou pelo menos pra mim, esses surtos são o ar que me faz viver.Só se conserta quando está quebrado, devemos destruir para reconstruir por cima.Remédios ajudam um bocado.Mas não recomendo não,rs.

Bertonie disse...

É meio chato correr e correr e perceber que você CONTINUA no ponto de partida. Por isso que, por mais clichê que possa parecer, é necessário viver intensamente (?). Como se não houvesse amanhã etc.

Elizabeth disse...

Você mudou, sim. Quem não percebe são aquelas pessoas que estao muito ocupadas com a inércia de suas próprias vidas para reparar em algo. Eu repareei :)

César Fernández disse...

Discordo de quem diz que não vale a pena mostrar seu coração ou seus pensamentos. De uma forma ou de outra, sempre vale.

Nesses meses desde que você apareceu na minha vida (desde a primeira "aparição"), eu já percebi mudanças, e foram pra melhor, você só tende a melhorar, amor.

Eu estou do seu lado, juntinho de você, tendo fé em você e lhe amando em qualquer circunstância.

Paloma Flores disse...

Mas a vida é assim mesmo e as pessoas sempre vão te julgar pelo que já passou, pelo que PENSAM que entendem de você, pelo que acham que sabem. Todas as pessoas são opacas e a maioria delas não sabe o que se passa do próprio lado de dentro. Quanto mais do dos outros!
Respire, relaxe, não ligue. deixe o tempo provar para todas elas que você não é a mesma.
Aí sim eles vão poder ter um vislumbre do seu lado de dentro.

Marcelo Mayer disse...

e daqui há dez? vc vai ler este texto daqui há dez anos. e vai rir. pode ter certeza!

Marcelo Mayer disse...

rir não... sorrir é a palavra correta

Hosana Lemos disse...

com o tempo certas cosias para mim foram perdendo o encanto...o aniversário, o natal, as brincadeiras.
Com o tempo eu mudei muito, e esse ano serviu para me mostrar tanta coisa.
Também fiquei mais retraída e mais acuada, foi até bom, me torna mais racional!
;)

beijos

kinha disse...

Traduziu meu pensamento! Quanto mais o tempo passa dá a impressão de que se deu 10 voltas e se parou no mesmo lugar. Dá angustia e revolta, mas a gente sabe que pra sair desse ciclo é preciso muito mais do que qualquer mudança externa, e o difícil mesmo é mudar!
Compartilho do surto depressivo...heheheheh!
;]

Erica Ferro disse...

Tenho tantos surtos depressivos, que pude me ver claramente nas suas palavras e me abraçar à elas.

Um beijo.

Jaime Guimarães disse...

É porque muitos precisam de uma válvula de escape, seja com álcool ou com outras drogas; outros conseguem canalizar isso em arte e temos verdadeiras obras-primas...ou não.

Um velho escritor, certa vez, disse: não é preciso nem escrever bem, mas se escrever com sentimento, é o que importa.

Os surtos depressivos tem esse "lado bom" (ousadia a minha).

Gostando daqui.

Cardoso disse...

Gostei muito do seu texto, posso utilizá-lo em uma apresentação ?