Poesia de bar II

Eu quero beber
Pra ficar de porre
E vomitar a saudade
Que por mais que eu mate
Não morre

Primeira parte aqui.

13 comentários:

Natália Corrêa disse...

Poesia de Bar I no outro blog
http://dezessetepoucosanos.blogspot.com/2010/01/poesia-de-bar-pra-engarrafar-saudade.html

:)

Mariana Andrade. disse...

e se não morrer, pelo menos esquecer pr algumas horas.

Uriálisson disse...

que não morre,e ainda deixa ressaca

Jéssica disse...

Ah, essa eu gostei mais. Ficou com mais aspecto de "bar" (não sei pq tenho essa idéia que bar são tipo recantos que as pessoas vão para afogar as mágoas e morrer no chão - acho que é influencia de bukowski). Hmm, gostei mesmo :D

;**

Segredos de Liquidificador disse...

Bem legal aqui seu blog!
gostei dessa poesia!
Beijos Lívia

César Fernández disse...

[2]

Sentilavras disse...

Poemas de saudade são, pra mim, os mais identificáveis para a alma. Gostei mt do teu. Tem um tom de riso apesar da dor.

Outro que muito me agrada é um trecho de música do Mário Lago. Nunca ouvi a música, mas a poesia é linda.

"
Devolve toda a tranqüilidade
Toda a felicidade
Que eu te dei e que perdi
Devolve todos os sonhos loucos
Que eu construí aos poucos
E te ofereci
Devolve, eu peço, por favor
Aquele imenso amor
Que nos teus braços esqueci
Devolve, que eu te devolvo ainda
Esta saudade infinda
Que eu tenho de ti"

Mariah disse...

eta saudade que me ataca a gastrite...

Carolzinha Sena disse...

é que a saudade é uma virgula, e não um ponto! isso que faz doer ;s

Luciana disse...

idem.

Mais um imundo no mundo impuro. disse...

Ela sempre ressucita, íncrivel!

Luana Gabriela disse...

haha eu não bebo, mas me afogo em poesias. E gostei muito dessa.

Bjos

Jaime Guimarães disse...

Hic! Zaudade? Tenho zaudade até dizo! Hic!